Conheça os principais motivos de fechamento de empresas e como ter sucesso

No Brasil, são criados anualmente mais de 1, 2 milhões de novos empreendimentos formais. Deste, 99% são micro e pequenas empresas, que por sua vez são responsáveis por mais da metade dos empregos com carteira assinada no país. Os dois primeiros anos são cruciais para a sobrevivência dos novos negócios: de cada 100 empreendimentos criados, 73 continuam no mercado, segundo dados do Sebrae.

Muitos querem empreender, mas poucos têm traquejo para tarefas administrativas que não são sua especialidade. Simplesmente ter o capital, um produto ou serviço diferenciado não são suficientes para manter a empresa funcionando, ainda mais quando seus recursos não estão sendo bem gerenciados. Certos erros passam a ser determinantes para o fechamento das empresas.

Na cidade de São Paulo os números chamam ainda mais a atenção, já que 27% de suas empresas fecham em seu primeiro ano de atividade. E é justamente no período que vai do primeiro ao quinto ano de existência que o negócio ainda se encontra na primeira fase do seu ciclo de desenvolvimento e merece atenção redobrada do gestor. Conheça os motivos que levam ao fechamento das empresas e previna-se para ter uma história de sucesso.

Falta de informações

No topo da lista de erros de um empreendedor está, sem sobra de dúvidas, a falta de informações tanto da parte gerencial quanto específica do negócio. O desconhecimento gera falta de organização e controle, fundamentais para a rotina empresarial. O mercado de atuação deve ser analisado antes mesmo do início do negócio, bem como da concorrência         e oferta de fornecedores. Conhecimento detalhado é a chave para um crescimento saudável. Saber de cor e salteado os processos que envolvem a produção dos produtos ou prestação de serviços é obrigação do empreendedor.

Falta de controle e planejamento

Muitas vezes o fracasso acontece porque o gestor não sabe que precisa ter um planejamento para om pagamento de tributos, do cálculo do capital de giro ou do pró-labore (no caso de empresas com sócios), separando bem as finanças pessoais das corporativas. No caso das pequenas e microempresas, o empreendedor acaba por fazer tudo sozinho ou com quadro reduzido de funcionários e cuida de vários departamentos, o que pode comprometer sua atenção aos detalhes. Tanto o controle como o planejamento precisa ser feitos de forma muito profissional. Busque ajuda especializada de uma assessoria contábil para essa parte, o que lhe dará mais tempo para focar-se na atividade principal do negócio.

Falta de comunicação

Até mesmo para criar uma identidade para sua empresa é preciso comunicação. É por meio dela que o negócio tem sua imagem construída e repercutida no mercado e junto ao seu público. Divulgação também é preciso para que as pessoas conheçam o que você tem a oferecer. No entanto, a comunicação não é só algo externo, mas deve ser alinhada também dentro da empresa para que todos falem a mesma língua principalmente no atendimento aos clientes.

Por fim, é preciso uma boa dose de paciência para que o retorno chegue. Isso não acontece antes dos seis meses, conforme alertam especialistas. Uma empresa estruturada começa a dar retorno em três anos. Para construir um crescimento sustentável é preciso investir em cada etapa e se disciplinar com as finanças até lá.

Fonte: Departamento de Relacionamento da Soluzione Assessoria e Consultoria Contábil